Avançar para o conteúdo principal

CONCERTO EM ACORDES DE NONA

Foi publicado este poema "Concerto em Acordes de Nona" na Antologia de Autores Trasmontanos, A Terra de Duas Línguas, volume II, 2013. Foi escrito já há três anos. Aqui se republica. Nessa antologia tem uma gralha significativa: o título apareceu com uma palavra a mais, "sinfonia", que estraga muito... uma coisa é um acorde de nona, um acorde muito especial (foi o professor Joel Canhão quem me ensinou o que eram, o que são, acordes de nona, num dos seus repentes de inspiração numa aula de música no colégio, há 43 anos, quando atinava com o tom duma coisa que estávamos a ensaiar e se deixou levar pelo teclado, como lhe acontecia tantas vezes!), outra coisa é a nona sinfonia, seja a de Beethoven seja a de Mahler ou outra, que aqui não vêm para o caso, de modo algum!



CONCERTO EM ACORDES DE NONA
 
 
VAI COMEÇAR


Libreto na mão.

Vozes, tosses, cadeiras,

Anarquia de sons.

Batuta.

Breve silêncio.

Nota contínua, emoção.

Arrebatamento, sentimento.

Tristeza, alegria, as duas faces de um poliedro feito de acordes.

Embarcar numa tormenta, sonhada, de claves, de linhas, de notas,

Antecipar, já sentado,

Voar de olhos fechados,

Alado nas pautas.

Pautas que batem suavemente,

A planar para o horizonte.

Movimento de ritmos, de compassos, de tempos.

Harmonia de sons.

Um imenso empolgar do coração.

Schiu…

Expectativa.

Braços abertos.

Vai começar.

 

PRIMEIRA PARTE

 
 
PRIMEIRO ANDAMENTO

 

Ouve-se música.

Nitidamente.

É música, de certeza!

Será jazz, atrás daquela porta?

 

(Dúvida:

De que foi feito esse som,

Que fez com que a terra não seja muda,

Vento, ondas, correntes, vulcões de espanto,

Montanhas erguendo-se em convulsão,

- De que seria esse som?

Teria sido jazz?)

 

Rumor verde de folhas,

Rumor quente de folhas,

Rumor húmido de folhas na chuva intensa,

Rumor seco de folhas rubras em torvelinho,

- De que seria esse som?

Teria sido jazz?

 

Zumbido de insecto,

Bater de casco,

Brama de macho a chamar por fêmea,

Berro de parto, vagido de leite,

 - De que seria esse som?

Teria sido jazz?

 

Talvez jazz não fosse, exactamente jazz…

Mas ao ouvir

Clic de ramo (um ramo a estalar),

Asa de ave, num roçar suave,

Voz de mulher, a cantar,

(que arrepio, tão suave, tão bom, tão forte, tão tudo)

- e logo um chiar de melodia,

De porta a ranger… iiieeehhh,

Que ao abri-la se sente

Vento, ondas, correntes, vulcões de espanto,

Montanhas erguendo-se em convulsão,

E uma emoção tão boa, tão suave, tão forte, tão tudo

Que só pode ser jazz!

 

Só pode ter sido jazz!

Atrás desta porta

A fazer – a soar!

Com que a terra não só não seja muda

Mas que seja em si uma mulher,

Bonita de ver, de ouvir, de tudo.

Um arrepio,

Tão suave, tão forte, tão tudo…

Certeza:

Jazz, atrás daquela porta!

 

 

OS SONS DA NOITE

 

 

Acordei de noite

a ouvir os pingos no telhado.

Acordei de noite

A ouvir o vento nas paredes.

Acordei de noite

A ouvir a chuva a cair das telhas dos beirados.

Acordei de noite

A ouvir o vento nas árvores do quintal.

Acordei de noite

A ouvir as frinchas a brincar com o ar.

Acordei de noite

a ouvir o som grave do temporal.

Acordei de noite.

Que é?

Quem é?

Anda aí alguém?

 

Não tenhas medo, meu amor:

São só pingos de água,

Fios de chuva no beiral,

O vento que hoje veio ao quintal.

Não tenhas medo, meu amor.

Eu tenho-o por ti.

Eu acordei para ouvir o telhado,

Acordei para ouvir as paredes,

Acordei para ouvir as telhas, os beirados,

Acordei para ouvir as árvores sibilar,

Para ouvir o ar a passar nas frinchas,

Acordei para o temporal.

 

Para que tu durmas, meu amor, ao pé de mim.

Para que tu durmas.

Dorme.

Não acordes de noite.

Eu acordo por ti,

Ouço por ti os primeiros pingos no telhado,

O vento nas paredes,

A chuva nas telhas, nos beirados,

O vento nas árvores do quintal,

As frinchas a brincar com o ar,

O som grave do temporal.

Eu ouço por ti.

Dorme.

 

Como gosto de te ver dormir ao pé de mim!

Enquanto tu ouves,

Num sono tão embalado,

A música de um anjo – de certeza o meu!

Que o teu está comigo,

A escutar comigo,

A velar por ti,

Desde que ambos ouvimos

No meio da noite,

Os primeiros pingos no telhado.

 

LAUDES – DOMINE, Imensa

 

Laudes. Bronze.

Corredor imenso. Eco.

Ruído de chave na fechadura,

Passos de alguém,

Mais passos de alguém.

Ranger de porta de gonzos,

Trinco de madeira,

Deslizar de pedrês,

Roçar de tecidos,

Tilintar de chaveiro,

Respirar ofegante,

Ladrilho que bate sob um passo,

Afastar de vulto,

Suspiro,

Sineta que tine,

Apressar de sandálias.

Corredor imenso. Eco.

Ruídos de chaves em fechaduras,

Ranger de portas de gonzos,

Trincos de madeira,

Ladrilhos que batem sob os passos,

Corredor imenso. Eco.

Porta que bate.

Silêncio.

Corredor imenso. Eco.

Canto imenso.

Breve solitário.

Uníssono som, imenso,

Perfurando o tempo,

Imensidão:

Domine, labia mea aperies!

Eco.

 

ANDANTE

 

 

Andante presto.

Pressa de fuga,

Oboés em contraponto:

Notas cruzadas por toda a avenida,

Penduradas nas árvores, nos candeeiros, nos néons.

- Quem se atreve a inverter o sentido,

Servir como herói numa terra tão árida,

Fazer música sobre os gemidos?

Andante presto.

Gemidos breves,

Breves da pressa,

Calcados sobre passeios

Por saltos altos,

Notas soltas,

Crescendo do chão,

Som de convite sob o tacão?

Presto, prestíssimo.

Pressa de fuga,

Oboés em contraponto,

Notas cantadas por toda a avenida,

Carros passando em baixo contínuo,

Estridências ferindo o ouvido

Onde ecoam gemidos

Breves,

Obsessivos,

Cruzados por toda a avenida

Em contraponto com passos

Que soltam,

Calcados sob tacões de pressa,

Saias de captar atenções,

Notas puras de oboé

Decantadas por clarinete.

Como herói em mar,

Contra o sentido,

Contra a corrente.

A lutar pela vida.

Invertendo o sentido,

Cheio de pressa,

De pressa de fuga.

Vamos?

 

DESTINO, Ludwig

 

I

De súbito, as madeiras:

Num sopro, o Destino!

(como se as madeiras pudessem ter dado um sopro,

 de vendaval,

dos de nos levar ao Destino…)

Mas nós ouvimos um sopro de vendaval!

Bater três vezes,

Acentuar ainda uma quarta,

Cadência em eco,

Cadência de terra em terra,

Pelos quatro cantos do mundo,

Pelos quatro cantos da desilusão.

Ó Heiligenstadt! Ó Viena! Ó Bona! Ó Paris, maldita!

Tricolor esfarrapado, caixa de Pandora!

Porque não ouço aquele doce som?

Schiu!

Onde pára a Esperança?

Pandora, dá-me a Esperança, se também me deste o resto!

De súbito, as madeiras, outra vez.

Bate três vezes, o Destino. Será o quarto, o bater da Esperança?

Mais uma vez, outra e outra,

Contraponto feito de mim, de cordas, das madeiras, dos metais…

Despejai-vos! Despejai-vos todos! Timbales!

Oboé de encanto,

Que te mantiveste por mim

No silêncio dos outros…

Ah! Aí estão de novo…

Bate três vezes, o Destino.

 

II

Schiu! Deixem-me ouvir!

Olha como vem ao meu encontro,

Suavemente, tão manso,

Outra vez a bater à porta…

Destino, és tu?

Não pareces o de há pouco:

Trazes-me a Esperança?

Fagote, oboé, marcha de quem vai cansado,

Agarrado à vida tão só porque a vida se lhe agarrou,

- e porque eu quis! –

Assobio trauteado, iludir de Destino,

Baixos e contrabaixos

A esconderem as vezes que o Destino bate.

III

Scherzo:

Caldeirão mágico!

Harpejo em Dó menor.

Mistura alquímica.

Que me pergunta, o Destino?

Eu não quero perguntas, quero respostas!

Quero misturar toda a poção,

Fazer magia,

Esconjurar sombras,

Fazer surgir uma nau que voe,

Desfraldar velas.

Onde está a Esperança?

Fecha-te, caixa!

Faz desaparecer Destinos não convidados!

Timbales, dai-me um som de mistério

Que convoque ondas

Que convoque o vento,

Dai-mo!

 

IV

Apoteose escondida em mim

Forçarei o Destino

A dar luz

A sufocar Pandora

A exultar de júbilo

- de júbilo de drama vencido!

Vem, Destino, vem passo a passo

Vem de mansinho ou de rompante

Despejar-te em mim, intenso, exultante,

Para que eu, armado de sonhos, de visões, de compassos,

De claves e ritmos insuspeitos

Possa esperar-te,

Possa, ouse talvez!,

Sem serenidade

Com um gesto desgrenhado e de louca visão,

Romântico devir!,

Subjugar-te de génio,

Subjugar-te de encanto.

E surpreender-te

Como se para o Destino eu surpreender

Baste um sopro.

Um sopro de madeiras,

Feitas de vendaval.

Dado de súbito.

De súbito final.

 

INTERMEZZO

 

A VIOLA DE EL-REI

(para ler duas vezes, moderato)

 

Com música espessa e voz pegajosa,

Se foi el-rei ao campo colher flores.

(Ao campo, ali, na Rua Augusta)

Deu com uma fada muito andrajosa

Por quem se derreteu cheio de amores.

– Bom dia, Senhor! – ela entoou.

(surgindo da esquina, a ver se assusta)

A um gesto dele, se calaram os instrumentos,

Emudeceram as suas vozes os cantores,

E ficou-se a olhar para ela, esses momentos,

Preso de voz tão mágica que o encantou.

“Como fazer pra não deixar tão doce instante?”

(“Que olhos tão fortes, cintura tão fina!”)

Num repente a el-rei lhe veio a inspiração:

– Toda a vida me tereis ao lado, linda senhora,

Se me derdes mercê de tal ventura,

Mas para tal haverá uma condição

Que será para os corações uma penhora,

Ser toda a noite, em serenata, minha constante.

(“Que rei é este, que fala assim?

Dalgum teatro, isto só a mim!”)

– Convosco irei, senhor! – voz de ternura…

Dizei-me, então, que devo fazer…

– Basta, apenas, prometerdes-me um condão

De estar sempre pronta e disfarçada

Para ao meu lado como musa permanecer,

Para ao meu lado estardes sempre de Inverno e Verão.

– Convosco irei, senhor! – voz de certeza…

Dizei-me, então, vosso desejo.

– Sereis dama, princesa, o que quiserdes,

Mas sereis também, nas outras horas,

(as dos meus fados, dos meus descantes),

Indo comigo sob o meu braço, serva fiel e dedicada.

(Juntou-se gente, atiraram euros)

- Será assim, senhor meu rei, como em vosso pensamento…

E nesse instante ela sumiu com grande espanto.

Tomando ele, na mão, com que a afagava, uma viola.

Nova, de som etéreo, de cordas de firmamento.  

 

A ARCA DE MÚSICA

 

Numa velha arca, no meio de papéis ratados,

Apareceu uma folha de música.

Muito antiga, manchada dos anos, de sangues, de tintas,

Com pautas de quatro linhas, vermelhas, riscas à mão.

Só de se olhar nela se ouvia o cantochão,

Forte, profundo, de lentos hinos cantados,

Ecos nas pedras da abóbada, nas colunas gémeas dos claustros.

Sons que iluminavam vitrais doutros tempos de conversão.

Tapando a folha, parava o canto.

Seria feitiço ou coisa de santo,

Sortilégio assim?

Dizia-se que essa velha arca fora um dia,

Tirada do coro, (antes servia de baú de pergaminhos de músicos),

Relegada para um canto, desprezada!,

Para um canto esquecido da abadia.

Dizia-se que nela um noviço se sentara,

Num ensaio de canto de horas esquecidas,

E se distraíra na surpresa de um perfil

De uma dama que a ouvi-lo se detera.

- De onde vem tão bela voz? Dissera ela.

- Da arca! Respondeu ele, emudecendo.

Ficando roxo de tal presença, preso de tamanho encanto.

E aflito. Que dizer ou que fugir?!

Mas ficara. E ela, aproximando-se, acreditando na palavra tonsurada,

Deu alguns passos, olhou para ele e a abriu.

Um canto celeste então se ouviu,

Em latim, a voz dos anjos que há cá na terra.

Fugindo, o noviço não mais parou até ao pátio,

Deixando atrás de si caída a folha.

Ela a tomou, a enrolou e a guardou.

 

Que ali há bruxa, que ali há demo, que ali há…

Sufocando, não mais atinou nem com o canto nem com ela.

Para sempre gago.

Ninguém viu a senhora do perfil,

Nem então, nem nunca mais.

Diziam ao noviço que atarantava:

- Foi visão, foi das horas do jejum, nada demais!

Mas ele teimava em que não, que em carne e roupa a vira ali.

E apontava, olhando o coro, de cá de baixo, com mui temor,

E mui tremor, no braço magro a sair da estopa.

Levaram-no de braços até lá acima: lá estava a arca.

Fechada e muda.

Levantaram a tampa pela dobradiça. Silêncio e pó.

Cheiro de tinta, de ceras de pergaminho.

E então ele, pegando a folha, pautas escarlates, ali pousada,

Depressa pensou, coisa tão louca!

Que alguém tivera que a trazer, que a arrecadar.

Fez o gesto de a desenrolar - seria um cabelo?!

Um hino celeste então se ouviu,

Em latim, a voz dos anjos que há cá na terra, um canto belo.

Fugiram todos sem mais parar.

 

(É então que jogral ou bufo pega em barrete,

Com ele na mão o estende à gente,

Muitos mirones ali à frente,

Sorriso franco e voz de falsete:

Uma moedinha, senhores, uma moedinha…)

 

E recomeça:

Numa velha arca, no meio de papéis ratados…

 

SEGUNDA PARTE

 

ENTRADA

Ruídos sem forma.

Notas  súbitas no mesmo tom.

Tudo em láááááá.

Batuta na estante.

Breve silêncio.

Clap de palmas.

Vai-vém de maestro.

Suspense. Pausa.

Silêncio.

Uma última tosse.

Som contínuo, acompanhamento de cordas, madeiras, metais.

Som mais cheio…

Recomeço.

SE EU FOSSE UMA NOTA DE MÚSICA

 

Se eu fosse uma nota de música

(e porque não hei-de ter sido?

Por que não hei-se ser?)

Gostaria de estar na abertura de Tannhauser,

No sopro de um clarinete,

No gemido de um violino de Verdi,

Envolto em mistério nos primeiros acordes da Traviatta,

Gota de água em Carlos Seixas

- de uma lágrima de dama, dançando na corte!,

Intermmezzo da Rusticana,

Choro de Villa-Lobos,

Pausa antes de um dilúvio de Ludwig

- Ludwig todo ele é dilúvio!

 

Se eu fosse uma nota de música

(e porque não hei-de ser?)

De certeza estaria na guitarra de um fado,

Na voz de um coro antigo,

Na de uma carpideira sentida.

 

Se eu fosse uma nota de música

Não sei porque não seria tudo.

Poderia ser mesmo tudo e ao mesmo tempo.

 

E porque não hei-de ser, uma nota de música?

 

 

GOSTAVA DE IR A MANHATTAN

 

 

Gostava de ir a Manhattan

Ouvir música e dançar.

Entrar e sair nas portas,

Das lojas, das galerias, dos museus,

Por onde sai todo o mundo,

Por onde entra toda a gente.

Ir aos prédios que são países,

Subir aos céus que há cá na terra

- Mais altos que a nossa serra.

Gostava de ir contigo,

Pra conversar de Deus, da vida e de tudo.

Gostava de ir contigo,

Falar de coisas de todos os dias,

Fazê-las arte, sublimes, literatura:

Coisas inesgotáveis,

Apetecidas,

Como Manhattan.

Gostava de ir contigo.

Um dia,

Uma hora,

Qualquer hora

E descobrir-te: ó Destino!

Aí,

Aqui,

Dentro de mim,

Na Broadway – numa cena na Broadway!

Com música,

Com orquestra,

Com saxofones,

Com cantoras, actrizes e bailarinas…

Gostava de ir. A Manhattan.

 

CORO

 

Retorno ao transe.

Som cheio, de uma vez.

Arrebatamento.

Vem do chão?

Do ar?

Destas paredes?

Do tecto?

Entrará pelos vitrais?

Por aquelas portas?

Virá daquelas arcadas?

Dos bancos?

Lá de cima, do coro?

Lá do fundo, do portal de entrada?

Serão as velas?

As imagens?

Os altares?

Os retábulos, as colunas, os caixotões do tecto de masseira?

Derramar-se-á daquele zimbório, no alto da abóbada?

São estas pessoas que cantam?

São estes acólitos?

São aqueles cantores?

São aqueles padres?

Será de hoje?

Será de dantes?

Será de sempre?

Vem do chão?

Do ar?

Destas paredes?

De lá de cima, do tecto?

Vem do passado?

Vem de dentro, das vozes?

De dentro, da alma?

 

Vem de Bach.

Virá sempre de Bach.

 

CONCERTO EM ROCK

 

Som baixo e pianíssimo.

Flat rock.

Frase de expectativa,

Transe de expectativa.

Adagio descendente.

Modo menor.

Emoção a crescer…

Tristeza a esconder.

Súbito: luzes fortes!

Cascata de acordes de todos os lados.

Electrónica em fluido,

Fogo,

Sons máscara,

Sons inundação.

Rasgam, queimam, partem-se no ar.

Evaporam-se na multidão.

Evapora-se a multidão,

Feita uma, émula de si própria.

De ritmo, de vibração,

Braços no ar, como a deixar escapar os dedos.

Forças exorcisadas pela música.

Medos exorcisados pela música.

Uníssonos, explosões.

Gritos de euforia e espanto, saltos:

Mais! Mais!

 

 

FONTE

 

Gota a gota, numa velha fonte,

Vertia-se música por uma boca de Anacreonte.

Raparigas que passavam,

Esvoaçavam!

Mais ágeis que os pássaros que dela bebiam.

Dançavam de roda em passos pequenos de pés descalços

- Tiravam os sapatos para se sentirem de pés no chão –

Feitiço de música que caía, gota a gota, daquela fonte,

Vertida da boca de bronze,

Inebriando mais que um vinho forte.

Um golo de água – um golo de música! – que tinha virtudes:

Fazia voar!

Fazia sonhar!

Fazia-as viver, às raparigas que passavam,

A música vertida gota a gota,

Daquela boca,

Da velha fonte.

 

A UM SOM DESCONHECIDO

 

Eu pensei que sabia que som fosse este.

Mas não o identifico.

Sei que é de sempre,

Que já existia antes de o comporem,

De o escreverem,

De o orquestrarem.

Já existia, decerto. Muito ouvido, decerto.

Estaria dentro do útero?

No mar antigo?

Nas tempestades?

Com violinos, sintetizadores e bateria?

Stevie, Stevie, tiraste-o da Bíblia, corda a corda?

Já o tocariam nos jardins da Babilónia,

Nos palácios do Egipto?

Soprá-lo-iam com trombetas no Coliseu de Roma?

Nos psaltérios de damas medievas,

Nos cravos barrocos,

Nos pianos românticos,

Nos cabarets de Paris,

No sapateado de Dublin,

Nas guitarras do Bairro Alto e da Alfama de Lisboa?

Que som é este?

Não é o do mar, nem do vento, nem de coisas vulgares.

(nem o mar nem o vento são vulgares, entenda-se!)

Que som é este?

 

FINALE

 

Tudo ficou para trás, nada mais resta.

Plateia vazia, conversa breve de despedida num camarote.

Ficamos as obras que conseguimos ser

Com destroços de tudo o que não fomos.

Há que arrumar, meter nos estojos, guardar as pautas.

Oh, se houvesse outro sítio para te amar sem ser no mundo,

Se houvesse uma outra vez!

Tudo ficou para trás, agora.

Já nada mais.

Nada mais.

 

A não ser esse outro som que nos acompanha,

Fiel na sua nota muda e presente,

A teimar lembrar-nos – coisa estranha!

Que ele está também aqui…

Que não ficou perdido, razão da existência,

Que teima uma e ainda outra vez

Como se houvesse outro lugar para o nosso amor

Sem ser tão imperfeito o deste mundo,

Como se houvesse outra maneira de amar,

Com a mesma orquestra, a mesma pauta, o mesmo empenho.

Talvez nem tudo, assim, tenha ficado para trás…

 

Dá-me a tua mão!

Vamos os dois, certos de termos chegado aqui,

Nessa outra existência de dimensão estranha,

Arrebatados por acordes, compassos, notas stacatto.

Pedir a Deus que foi nosso e será depois,

Que nos dê uma hora breve, breve que seja

Junto da sua Eternidade!

Podermos uma outra vez.

Poderemos, nesse tempo sem idade?

 

Glória de acordes, de sons inauditos!

Porventura não ver, não palpar, não respirar doces aromas

Mas ouviremos o tempo, o escoar eterno do tempo.

O que foi nosso, mais urgente.

O que é dos astros, sempre presente.

O que está aqui e não se repete,

O que está nas estrelas, nas galáxias, nos intermináveis confins.

Suave e forte murmúrio existente no instante,

Estampido de princípio,

Música que não se faz de espaço,

Que é passado de onde vimos, presente em que somos, futuro que nos espera.

Música que é só tempo.

Tempo e som.

 

Escuta! Dá cá a tua mão! Não ouves?!

Esse som, esse som…

 

ENCORE

HORA

 

 

Hora de ir para casa.

Ou para um pub ou um bar.

Trautear a memória, talvez cear.

Por em palavras as emoções,

Discutir frases, discutir sentimentos:

O pós-concerto é sempre de uma euforia íntima,

Depois da música fica sempre uma doce náusea,

O mundo vestido de caleidoscópio.

 

Ah! Um encore!

Sentamo-nos outra vez.

A orquestra toca solta, palmas mais fáceis.

Acordes familiares de Vivaldi e Strauss.

Público em pé.

Aplausos.

 

Aplausos ao maestro,

Aplausos aos músicos,

Aplausos à música,

Aplausos ao público?

Aplausos, viagem no tempo,

Dia longínquo em que um compositor escreveu,

Nota a nota, frase a frase,

O motivo destes aplausos.

A música é tempo, 

Metrónomo constante,

Pedaço de eternidade,

Forma de se estar em qualquer sítio e em qualquer idade.

 

Vamos, vamos! Flores no palco,

Todos em pé com sorrisos e vénias.

Vamos.  Sair para o trânsito.

Para a noite, as luzes, os semáforos.

Conquilhas numa esplanada de turistas.

Hora de cear.

Por em palavras as emoções,

Que o pós-concerto é sempre uma euforia íntima,

Uma doce náusea com cerveja ou champagne,

O mundo vestido de caleidoscópio.

Vamos!

 

Mais tarde


PREMIR DE UM BOTÃO

 

Primo o botão – e desaba-me uma torrente de música!

Ar comprimido em frequências,

Desperta paixões de alma, dormentes,

Exaltação íntima pelo som.

Tudo desaba em mim.

Que vibrações misteriosas

De um clic ao cérebro,

De um tempo a outro,

De vidas alheias até à minha,

De vidas passadas até às de agora!

 

Som de sempre,

Percorre o mundo como se fosse um fractal,

Senhor do tempo,

Senhor de uma imortalidade,

Senhor do caos.

Som.

 

Onde dorme quando o não escutamos?

Em que confins se esconde para que não se perturbe?

Porque surge, intempestivo, indomesticado, do nada?

Onde está, antes de ser trovão,

Sibilo de vento ou sopro de tubo de órgão?

Torrente de música,

Paixão da alma,

Pesadelo de Brahms,

Tormento e doçura de Schuman

Mecânico,

Eléctrico,

Natural,

Artificial,

Cerebral…

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Eng.º Menéres Manso

ANTÓNIO CLEMENTE MENÉRES MANSO

Morreu hoje no Porto, onde se encontrava internado no Hospital da CUF, o nosso excelente Amigo Eng.º António Clemente Menéres Manso. Homem dotado duma visão perspectiva e prospectiva sobre a agricultura e o desenvolvimento regional, na esteira do que foi o pensamento e a acção do Eng.º Camilo de Mendonça, a sua opinião fundamentada era ouvida, partilhada e considerada por muitos dos que com ele tivemos o privilégio de conviver. Nasceu em Vila Nova de Gaia em 16 de Março de 1934, filho de Alberto António Martins Manso e de sua mulher D. Josefina Pinto dos Santos da Fonseca Menéres, em casa de seus avós maternos. A sua aldeia de referência era Valpereiro, concelho de Alfândega da Fé, onde até aos dez anos de idade frequentou a escola primária e onde geria a sua casa agrícola, permanentemente preocupado com a criação de animais em modo de produção biológico e com a produção dum azeite de excepcional qualidade que lhe tem vindo a  grangear prémios e reconhec…

Atlantis, Atlântida

Atlantis, Atlântida ©Manuel Cardoso
(...)
Oh mar! oh mito! oh sol! oh largo lecho!
Y sé por qué te amo. Sé que somos muy viejos.
Que ambos nos conocemos desde siglos.
(...)
Jorge Luís Borges


Obras no centro da cidade de Huelva, parque de estacionamento pago, calor e barulho ao abrir do vidro, sol fortíssimo a fustigar-nos como se não devêssemos estar ali, como se nos quisesse corrigir um equívoco na nossa rota. Fechámos o carro, pusemos chapéu de palha e óculos escuros, demos alguns passos no pavimento quente e entrámos, à procura de sombra e abrigo, no Café Central. O passarmos essa porta, que empurráramos, foi um súbito e inesperado virar duma página num livro de Borges. Enquanto a Mariana foi lavar as mãos, um homem ao balcão tirou-nos cafés de máquina que nos serviu nuns copos de vidro grosso e, ao pousá-los, fitou-me com ar de velho conhecido. Calças de fazenda, camisa branca e colete, cabelo grisalho com um leve ondulado dum quadro de El Greco – ou seria dum mural de Creta? – mãos segura…

trovisco

TROVISCO
Daphne gnidium L.


Há duas plantas diferentes com este nome. Uma chama-se trovisco-macho, existe na Madeira e é muito diferente da que nos interessa e sobre ela nada aqui dizemos.

O trovisco que existe em Trás-os-Montes é um arbusto da família das Timeliáceas cujo nome científico é Daphne gnidium L (1). Há ainda duas plantas muito parecidas, também da mesma família e que têm os mesmos nomes vulgares em diversas regiões do país: trovisco-fêmea, trovisqueira, gorreiro (Alentejo), erva-de-João-Pires, mezereão, mezéreo-menor, mezereão menor. O mezereão, Daphne mezereum L., e a Daphne Laureola, são esses outros elementos desta mesma família. O sabor deste vegetal é muito amargo e, em geral, os animais evitam-no. Contudo, se for ingerido por cavalos pode ser mortal e o mesmo acontece com as galinhas, como se pode avaliar pelo seu nome no país vizinho.

Sinonímia internacional:
- Castelhano: torvisco, matapollos, bufalaga, matapulgas, matagallina, torbisca, trovisco;
- Gale…